O exercício não é uma panacéia para alcançar proporções corporais perfeitas, diz estudo

O ajudará

Muitos fatores afetam a quantidade de gordura corporal, centímetros na cintura e outras proporções do corpo.

As pessoas participam de maratonas por vários motivos: competir, encontrar pessoas que pensam como você, melhorar sua saúde, perder peso. E correr ajudará não apenas com os itens acima, mas também com muitos outros problemas.

No entanto, pesquisas recentes, publicadas na revista científica BMJ Open Sport and Exercise Medicine, sugerem que com a ajuda de uma corrida dificilmente é possível atingir as proporções ideais do corpo. E se você deseja alcançar abdominais perfeitos e quadríceps de pedra com uma corrida, então você está em um longo platô (peso sem movimento).

Discussões científicas sobre composição corporal

O debate dos cientistas sobre se é possível alcançar um corpo ideal com a ajuda de exercícios já dura mais de uma dúzia de anos, enquanto alguns deles têm certeza de que isso é bem possível, outros estão convencidos de que não é assim . No entanto, eles ainda concordam em uma coisa: de acordo com todos os cientistas, a corrida, especialmente a corrida de alta intensidade, ajuda a reduzir os depósitos de gordura que se formam ao redor dos órgãos internos.

Essa gordura forma uma camada separada ao redor dos próprios órgãos, causando o desenvolvimento de várias patologias cardiometabólicas, incluindo diabetes mellitus, doenças cardíacas, etc. Correr pode reduzir o risco de desenvolver essas doenças, melhorando a saúde e prolongando a vida.

Abordagem científica inovadora para a percepção do exercício e composição corporal

As principais deficiências dos estudos científicos sobre o estudo do impacto dos controles físicos na qualidade do corpo se resumem aos seguintes pontos: são todos de natureza puramente observacional, o que dificulta a determinação da precisão dos dados relatados pelos participantes do estudo (realmente realizam um determinado conjunto de exercícios?), bem como a presença/ausência de fatores relacionados (atividade física adicional, bons hábitos que têm efeito benéfico na qualidade corporal). Além disso, na grande maioria dos casos, os participantes são obesos e, portanto, não é possível obter uma imagem universal do verdadeiro papel do exercício na qualidade corporal, pois quem não está acima do peso também lê os resultados dos estudos, enquanto querem melhorar seus parâmetros.

Para resolver esse problema, uma equipe de cientistas das Universidades do Arizona, Washington e Sul da Califórnia desenvolveu uma nova abordagem baseada no princípio da randomização mendeliana. Usando-o, os pesquisadores usam a variação genética como base para determinar o quão benéfico é um estilo de vida para as proporções do corpo.

“O objetivo de nossa pesquisa foi estudar o efeito do exercício na qualidade do corpo”, disse Ferris Ramadan, MD, epidemiologista e cientista de dados da Universidade do Arizona. O fator comportamental, representado em nossos estudos pelos genes, tornou-se um exercício, e a qualidade final do corpo assumiu o papel do resultado.

Ramadan e seus colegas começaram suas pesquisas com um estudo aprofundado dos genes que determinam este ou aquele nível de atividade física. É como estudar genes que permitem determinar a altura de uma pessoa, quais doenças ela sofrerá devido à sua predisposição genética e assim por diante. As diferenças genéticas são herdadas espontaneamente e usá-las como entrada reduz a probabilidade de que outros fatores (estilo de vida, maus hábitos) possam afetar o resultado final. Assim, por exemplo, fumantes ativos podem ter dados físicos medíocres justamente por causa do tabagismo, e não por falta de atividade física.

Além disso, a abordagem genética evita a possibilidade de uma relação causal inversa, quando é a qualidade original do corpo humano que o obriga a recorrer constantemente a um ou outro grau de intensidade da atividade física.

Guiados por várias variações de genes de atividade física, os cientistas acessaram milhares de biobancos para descobrir a relação entre genes e qualidade corporal, o que afeta o índice de massa corporal, a magreza da cintura, as medidas do quadril, o percentual de gordura corporal e muito mais.

“Descobrimos que o exercício físico de qualquer intensidade tem um efeito medíocre na qualidade do corpo”, concluiu Ramadan.

Para todo o período do estudo, uma única exceção foi registrada. A corrida de alta intensidade pode afetar a composição corporal, mas apenas nos indicadores de gordura corporal nos órgãos internos. E esta é uma ótima notícia para os corredores ativos, mas não deve ser tranquilizadora, dando falsas esperanças de que apenas a corrida pode fazer maravilhas pela figura.

“Aqueles que acreditam que a atividade física, ou seja, a corrida, serão capazes de reduzir suas proporções originais além do reconhecimento estão enganados. Não funciona assim. Correr reduz a porcentagem de gordura que se acumula na superfície dos órgãos, mas esta é apenas uma pequena parte, que não terá um efeito significativo nas proporções do corpo e não será sentida visualmente”, concluiu Ramadan.

O papel da nutrição no esporte e seu impacto na qualidade corporal

Embora a atividade física não afete significativamente a qualidade do corpo, os pesquisadores acreditam que uma combinação de exercícios e nutrição adequada pode ter um efeito maior. No entanto, não basta simplesmente limitar sua dieta e se movimentar mais.

Nicole Farnsworth, nutricionista registrada que trabalha no departamento de medicina esportiva do Hospital Infantil de Boston, está convencida de que limitar sua dieta ao mínimo pode ter um efeito negativo no corpo. E tudo porque ela vê regularmente situações em que pacientes decepcionados a procuram, que, apesar de uma dieta rigorosa e treinamento intenso, não apenas não emagrecem, mas também engordam mais.

“Os pacientes constantemente me procuram e ficam perplexos com o fato de que, apesar de uma dieta rigorosa e atividade física regular, seu peso não se move, ou até aumenta”, Farnsworth compartilha sua experiência.

A razão pela qual algumas pessoas não conseguem perder peso ou mesmo ganhar peso apesar da dieta e do exercício é que o gasto de energia do seu corpo é diferente daquele daqueles que o fazem. E isso é determinado pela genética. Segundo a nutricionista, nessas pessoas, com déficit calórico no organismo, é ativado o modo “reserva”, em que se recusa a abrir mão do excesso de peso, mantendo-o no lugar ou, ao contrário, aumentando-o.

Além disso, um déficit calórico prolongado também pode afetar a qualidade da atividade física, porque o atleta simplesmente não terá força para realizar os exercícios com qualidade. Além disso, um organismo em que níveis muito baixos de tecido adiposo são registrados corre maior risco de desenvolver várias doenças, incluindo insuficiência hormonal, doenças vasculares e deficiência de cálcio.

“Se um órgão é fino, isso não significa que vai funcionar mais rápido”, acredita a nutricionista.

Segundo Farnsworth, para ver um resultado visível, o atleta deve se concentrar em compilar uma dieta completa e um complexo de treinamento adequado para ele, e não tentar atingir as proporções corporais ideais.

“Como mostra a prática, ao otimizar a nutrição e o treinamento, é mais provável que um atleta veja resultados mais rapidamente do que quem decide desconsiderar essa regra”, concluiu a nutricionista.

Resultados

Não importa se você quer perder peso ou testar suas próprias habilidades, correr o ajudará a atingir seu objetivo. Mas lembre-se que não é uma panaceia que produzirá resultados por si só. Bom descanso e recuperação do corpo, exercícios bem escolhidos e boa nutrição ajudarão a alcançar o efeito desejado.

E mesmo que a corrida não ajude a alcançar as proporções ideais do corpo, não se esqueça de que ela traz muitas outras vantagens, incluindo a saturação de oxigênio do cérebro, o treinamento do músculo cardíaco e um efeito benéfico no estado psicológico. Portanto, deixe que todas essas vantagens se tornem sua motivação, o que o ajudará a não parar e avançar em direção aos seus objetivos.

O exercício não é uma panacéia para alcançar proporções corporais perfeitas, diz estudo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Voltar ao topo